O fenómeno "O Estranho" em Fernando Pessoa





No meu ensaio sobre FERNANDO em PESSOA abordo a “inquietante estranheza” que assola o poeta quando sai da sua longa adolescência, e que o leva defensivamente a criar ALEXANDER SEARCH, o poeta maldito, que ainda escreve versos em inglês, um duplo, o primeiro heterónimo, que o ajuda a manter alguma estabilidade emocional.

Sabemos que no início do sec. XX, se vulgariza na Literatura a moda do DUPLO, e as narrativas era o duplo o personagem incluído o, mecanismo psicodinâmico foi desenvolvido por Otto Rank.

Retomando esta opção que FERNANDO PESSOA, por motivos psicológicos e também por influência da sua cultura literária, conjetura criativamente o seu Sistema Heteronímico, os quatro poetas heterónimos – Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Álvaro de Campos, Fernando Pessoa ortónimo, em que se desdobra, com estilos diferentes e biografia própria.


Voltamos, pois, ao fenómeno que FREUD designou por O ESTRANHO (1919) e interrogamo-nos, ainda hoje, face à complexidade da HETERONÍMIA DE FERNANDO PESSOA, qual é ou quem é O ESTRANHO, de quem é a voz e a escrita, na multiplicidade de heterónimos na OBRA DE F.P, a quem atribuir a mais acutilante criatividade ou a que mais claramente representa O ESTRANHO? Para nós, psicanalistas face ao texto literário, e não para F. PESSOA, pois para o autor, são todos parte do SELF clivado e projetado. Qual deles e da respetiva criação literária / filosófica / psicológica nos causa o espanto que geralmente o ESTRANHO provoca?


FERNANDO PESSOA NÃO É! É por nós todos conhecido - todos o identificamos na figura esguia, com o seu bigodinho, óculos e chapéu de feltro à época, sabemos que foi grande poeta. Deixou retratos pintados por ALMADA NEGREIROS, conhecemos fotos em trânsito por Lisboa, esquissos emblemáticos da sua figura, alguns de nós nem o leram e não conhecem A MENSAGEM, o seu único livro publicado.

Qualquer dos poetas HETERÓNIMOS, AC, RR, AC, e FP ortónimo, também não são!

Cada um de nós sabe deles o que quer saber e isso lhes chega... em Portugal lê-se pouco, e só se na Escola for obrigatório. Se os lermos podemos preferir um ou outro, mas não causam estranheza nem espanto. Dizem que são grandes poetas!


Na minha opinião quem nos causa mais espanto tal como O ESTRANHO é esse tal BERNARDO SOARES, pela sua banalidade, um homem comum, um empregado de escritório na Baixa lisboeta, que traduz para inglês cartas comerciais, um homem comum, modesto, cumpridor, que vive sozinho em quartos alugados, que come em restaurante ou casas de pasto vulgares, que bebe uns copitos de água-ardente por dia ao balcão ou em mesas de café no Terreiro do Paço, quando tem tempo, onde olha o Tejo e vai escrevendo em papeis soltos que mete ao bolso, as vezes conversa com um ou outro companheiro mas geralmente baixo e sem grande entusiasmo...um pobre diabo! Sempre a fumar! Sendo vulgar é um tanto enigmático... tem essa mania de escrever...ninguém sabe o quê...

Sim esse tal BERNARDO SOARES, esse tal semi-heterónimo de Fernando Pessoa é talvez o mais parecido com o Poeta e causará espanto a todo o que leia O LIVRO DO DESASSOSSEGO, em fragmentos amarrotados e rasurados e quase abandonados e dispersos na arca. Uma espécie de Diário, uma literatura de segunda, mas com uma profundidade e às vezes qualidade poética, com uma BELEZA E VERDADE QUE ESPANTA. Esse será o ESTRANHO QUE ESPANTA E QUASE ASSUSTA PELO CONTRASTE COM O SEU ASPECTO HUMILDE e VULGAR... o seu interior é belo, profundo e verdadeiro... ele personifica o conflito estético de que nos fala D. Meltzer! A dúvida e incerteza da nossa existência e da relação com o OUTRO - o que andamos aqui a fazer ?


Imagem: José de Almada Negreiros, «Retrato de Fernando Pessoa» (1964). Centro de Arte Moderna Gulbenkian.